Cair e Levantar

O início do meu despertar foi bastante complicado. Após os primeiros dias as crises foram só se repetindo, dia após dia, de formas diferentes e cada vez mais assustadoras. Outras fobias, antes escondidas emergiram e então, me vi atolada em um só sentimento: Medo.

O medo tomou conta de mim, já não conseguia trabalhar porque tinha medo de dirigir, não podia ir ao cinema porque tinha medo de permanecer em locais fechados, não podia ficar sozinha com minha filha porque tinha medo do inesperado, não podia dormir com medo de não acordar. Enfim, minha vida chegou em um ponto insustentável e eu precisava tomar uma atitude drástica o quanto antes. Procurei um médico psiquiatra para entender o que me acontecia, e se existia alguma forma de tratamento rápido. Como podem imaginar o tratamento só envolvia psicotrópicos fortíssimos, que só o que faziam eram me deixar apagada e inerte à toda àquela situação.

Minha mãe me ajudava como podia. Utilizando de seus aprendizados, hora do reiki, hora do sistema de fitoenergética. Me passava chás para tomar e aspergir. Equalizava minhas energias nos pontos estratégicos. Eu acreditava que tudo aquilo era bom para mim. Mas o medo me apontou o contrário. Passei a imaginar que tudo aquilo era ruim e me prejudicava e então, acabei fechando esta porta.

Meu esposo também muito preocupado comigo, buscou outra alternativa para tentar me ajudar. Até então eu não fazia nenhum tipo de exercicío físico, estava em uma vida totalmente sedentária. O que ele fez foi buscar uma forma de acabar com esse sedentarismo. Comprou um aparelho XBOX usado, para que eu dançasse usando o jogo Just Dance. Ele sabia que esse era o jogo que eu mais gostava, e dessa forma eu conseguiria me exercitar com diversão. Essa solução foi muita boa, abriu meus olhos para esse lado, e despertou meu gosto pelo exercicío aeróbico misturado com música agitada. Foi então que busquei o JUMP. Sempre que participo de uma aula sinto-me renovada. Sinto como se todas minhas energias negativas escorressem junto com o meu suor. Além de eliminar gorduras e baixar meu colesterol, melhorou o meu humor e minhas crises.

Mas só o exercicío ainda não era o suficiente, sempre que não fazia uma aula as crises voltavam. Portanto, ainda não estava curada. Sentia que muitas outras coisas precisavam ser resolvidas em minha vida. Foi quando procurei minha antiga psicóloga. Há alguns anos já tinha feito um tratamento com ela, trabalhamos àquela época com regressão, hipnose e outras técnicas. Foi muito legal e produtivo, e agora, mais do que nunca, precisava reencontrá-la. 

Iniciamos um novo tratamento. Agora ela tinha técnicas novas, mais modernas e eficazes. Começamos com a terapia de neuroacústica. Uma alternativa muito boa e eficaz. Sempre que saía de uma sessão me sentia mais leve e tranquila. Mas com o tempo essa terapia foi me levando a ter regressões pesadas, sempre ligadas a agressões, torturas, sensação de morte e repulsão. O resultado final era sempre bom, mas o medo começou a me atrapalhar novamente, e já não conseguia seguir com esse tratamento específico. O medo de uma nova regressão perversa me perturbava e pedi pra ela ir mais devagar.

Não me lembro ao certo quantas formas de tratamento ela tentou comigo, foram inúmeras. Todas tinham sucesso, mas só por algum tempo, porque logo minhas crises voltavam das mais diferentes formas. Era como se meu medo tomasse novas formas, para que de todo jeito conseguisse me consumir. Até constelação familiar nós fizemos, que por sinal foi muito interessante. Mas o extraordinário aconteceu quando durante uma sessão corriqueira, algo inesperado aconteceu e, então, comecei a me conectar com algo maior, superior. Meu tratamento a partir daquele momento estava diferente, havia algo novo ali.

Nenhum comentário:

Postar um comentário